Laudo diz que Adriano foi atingido ‘a certa distância’; veja íntegra

O laudo da autópsia de Adriano da Nóbrega, realizada no último domingo (9), quando ele foi morto durante um confronto com a Polícia Militar da Bahia, não esclarece a que distância o ex-capitão do Bope foi atingido por tiros que o levaram à morte.

A resposta é fundamental para saber se ele foi vítima de uma execução, de um excesso dos atiradores ou, como afirmam categoricamente as autoridades baianas, de uma necessária reação para proteger a vida dos três policiais contra quem ele teria atirado.

A íntegra do documento, obtido por O Antagonista (veja abaixo) descreve que as perfurações no corpo (uma do lado esquerdo do tórax, que atravessou o corpo e saiu pelo esterno, reentrando na parte de baixo do queixo; e outra entre o pescoço e o ombro direito) de Adriano são compatíveis com “orifício de entrada de projétil de arma de fogo disparado a certa distância“.

O termo vago e sem qualquer estimativa de quantos centímetros ou metros foram disparados os tiros dificulta formular hipótese de execução ou morte resultante de confronto, respectivamente.

Peritos experientes ouvidos pela reportagem, no entanto, afirmam que o laudo esclarece que a perfuração encontrada logo abaixo do queixo foi causada pela bala que atravessou o corpo e não por um tiro de misericórdia, um “confere”, típico de execução.

Quanto à distância em que foram disparados os tiros, uma aferição mais aproximada poderia ser feita com uma perícia do local com o corpo presente.

No procedimento, registrando local e posição do corpo, junto com móveis, paredes ou objetos que também foram atingidos por tiros, os peritos teriam condições de calcular com mais precisão a que distância Adriano foi baleado e a trajetória das balas no local.

Mas, como, segundo a polícia, Adriano foi levado do local ainda vivo para ser socorrido no hospital, essa perícia do local ficou prejudicada. Como informamos nesta semana, esse laudo e o de balística ainda estão em elaboração e deverão ficar prontos na semana que vem.

Veja abaixo a íntegra do laudo de necrópsia:

O ANTAGONISTA