Ourinhos avança no ranking das cidades com melhor nível de emprego no Estado

Ourinhos avança no ranking das cidades com melhor nível de emprego no Estado

O mês de agosto de 2019 totalizou saldo positivo na geração de empregos em Ourinhos, colocando a cidade em destaque na comparação com cidades da região. Foram 802 novos postos de trabalho com carteira assinada e saldo positivo de mais 117 empregos para a cidade.

A variação em comparação com julho é de 0,49%. Levando em conta o resultado, a cidade alcançou a 64ª posição no Estado de São Paulo entre os municípios que mais geraram empregos. São números melhores que de cidades próximas ou de porte semelhante, como Presidente Prudente, Piraju, Araçatuba, Assis, Lins e Palmital.

O setor de serviços foi o que mais colaborou no saldo de empregos formais no acumulado de 2019, com 359 vagas a mais. Em segundo lugar está a Administração Pública (114) e em terceiro o Comércio (106).

No acumulado dos últimos 8 meses, Ourinhos aumentou seu percentual positivo de geração de empregos para 1,83%, contra 1,33% em julho. O saldo foi de um total de 315 para 434 novas contratações.

Diante da retração econômica do país, a gestão do Prefeito Lucas Pocay vem buscando desde o início de seu mandato, em 2017, oportunidades de investimentos que gerem emprego e renda para Ourinhos. Os frutos desse comprometimento estão surgindo, com a chegada de dezenas de novos empreendimentos comerciais na cidade, além de órgãos e entidades, como a recente instalação do SEST/SENAT.

Na visão de Frednes Correa Leite, Secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo, os números refletem o esforço da gestão do Prefeito Lucas Pocay em realizar parcerias com a iniciativa privada.

“Temos colocado à disposição dos empresários todas as informações necessárias para instalar seu negócio na cidade. A cidade está se transformando nos setores de infraestrutura, educacional e social, o que chama a atenção dos investidores.”, declara.

Em todo o Estado, a variação entre julho e agosto foi de 0,28%, com 33,2 mil novas vagas de saldo. Os dados são do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgados mensalmente pela Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia no site pdet.mte.gov.br/caged.