Plataformas de redes sociais devem colaborar, diz presidente da CPI

Para o senador Angelo Coronel (PSD-BA), que preside investigação das fake news, caso elas não revelem os criminosos, devem ser expulsas do país

 

As plataformas de redes sociais devem colaborar com as investigações da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) mista das Fake News, no Congresso, caso contrário elas podem ser expulsas do país. A afirmação é do presidente da CPI, senador Angelo Coronel (PSD-BA), feita ao jornal Folha de S. Paulo.

“Se elas estão no Brasil, não podem ignorar, na hora H, que estamos investigando atos desabonadores, atos de pessoas que eu considero criminosas. Quem cria um perfil falso para depreciar certos alvos não passa de um criminoso. Se as plataformas não contribuem para que a gente puna esses criminosos que se travestem atrás de um perfil falso para depreciar pessoas, então essa plataforma não pode ficar no Brasil”, afirmou o senador.

CPI das Fake News, que apura notícias falsas e assédio vitual nas redes sociais, quer ouvir integrantes do governo, deputados e ex-ministros. O senador disse que “a comissão quer chegar aos autores, investidores e patrocinadores de bunkers espalhados pelo país afora para depreciar pessoas” e que seu trabalho será imparcial.

“Eu não quero saber se a pessoa é filho de presidente, se é irmã de presidente, se é inimigo de presidente, nós temos que simplesmente combater os criminosos das redes sociais. Todas as instituições e toda a sociedade brasileira estão do lado de quem está lutando para combater esses crimes digitais. Só quem deve ficar contra é quem comete”, conclui Angelo Coronel.

 

R7