PM leiloou armas e drogas apreendidas a milicianos e traficantes

Diálogos interceptados pela Polícia Federal mostram detalhes da negociação entre policial militar do Bope e bandidos do RJ

 

Um policial militar do Bope leiloou armas e drogas apreendidas durante operação em favela no Rio de Janeiro. O material teria sido vendido a traficantes, da própria comunidade, e a milicianos. As informações são do jornal Extra.

A ação foi realizada em março de 2015. Na ocasião, policiais da Tropa de Elite apreenderam um fuzil, munição e drogas no Complexo da Serrinha, em Madureira, na Zona Norte do Rio. Período em que consta uma conversa entre o PM e um criminoso, identificado como Coelhão.

O diálogo, registrado no aplicativo BlackBerry Message, ocorreu um dia após a apreensão. Na conversa, o militar oferece um fuzil AK 47, munição e carregadores. Em seguida, o bandido pergunta o valor do material e o PM faz uma espécie de leilão.

“O pó [cocaína] e o AK [fuzil] ele está vendo porque o maluco da milícia lá em Campo Grande quer pagar R$ 45 [mil] na mão e o pó tem um cara lá querendo pagar porque eles estão falando que é puro”, afirma. A negociação foi grampeada pela Polícia Federal.

Coelhão é um dos braços direitos do chefe do tráfico na Serrinha, Walace de Brito Trindade, o Lacoste.

Quatro dias depois, o PM conversa com outro traficante, chamado de Gordão. O policial oferece uma arma apreendida no Complexo do Chapadão por R$ 45 mil. “Está puxado”, responde o criminoso.

As investigações revelaram ainda que, além de negociar armas e drogas com os bandidos, o militar avisava aos traficantes da Serrinha sobre operações policiais nas favelas da facção da qual faziam parte.

METRÓPOLES