Protesto em Brasília a favor da Lava Toga tem atrito com policiais

RENOVA MÍDIA

Mobilização que ocorreu na Praça dos Três Poderes, em Brasília, reuniu senadores, movimentos políticos e cidadãos.

 

Na tarde desta quarta-feira (25), manifestantes se reuniram na Praça dos Três Poderes, em Brasília, para ato em defesa da instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Lava Toga.

O protesto foi convocado tanto por movimentos sociais como por parlamentares que defendem a instauração do colegiado no Senado.

Na manifestação, segundo o site Poder360, havia cartazes com fotos do presidente da República, Jair Bolsonaro, máscaras com os rostos do ministro da Justiça, Sergio Moro, e do ministro Gilmar Mendes, do STF. No ato, palavras de ordem eram proferidas contra magistrados do Supremo.

Slide 1 de 11: Entidades educacionais e movimentos sociais se reúnem na Avenida Paulista para protestar em defesa da educação, democracia, emprego, aposentadoria, meio ambiente e contra o governo do Presidente Jair Bolsonaro.

O ato porém teve momentos de tensão. De acordo com o jornal Correio do Povo, o grupo que estava no ato tentou derrubar as grades que cercam a área externa do STF para invadir o edifício-sede do Supremo, o que levou policiais a disparar gás lacrimogêneo para dispersar a multidão.

Um policial militar foi atingido por uma pedra, mas, segundo apurou o Estado/Broadcast Político, o estado dele não é grave. O jornalista do SBT, Daniel Adjuto, compartilhou um vídeo do momento em que o agente é retirado do local.

Daniel Adjuto

@DanAdjuto

PM sai ferido e está sendo atendido pelo serviço médico do STF. Foram atirados tomates, paus e pedras contra PMs e o STF. Policiais reagiram com spray de pimenta e tiros de borracha.

Vídeo incorporado

Por outro lado, ativistas e cidadãos alegam que as forças de segurança agiram com truculência para dispersar a manifestação a favor da CPI da Lava Toga.

Em postagem no Twitter, o jovem ativista conservador Carmelo Neto, ex-coordenador do Movimento Brasil Livre no Ceará, afirma que “quem agrediu os manifestantes foi a polícia do Supremo, e não do Senado. Transformaram uma manifestação pacífica num palco de guerra”.

“Uma das cenas mais absurdas que eu já vi em toda a minha vida. A ditadura da toga está em vigor, podem ter certeza. Precisamos fazer alguma coisa!”, acrescentou ele.

Carmelo Neto@carmelonetobr

URGENTE: POLÍCIA DO SENADO REPRIME MANIFESTANTES NA BALA E NO GÁS. BANDO DE VAGABUNDOS.

Vídeo incorporado

RENOVA MÍDIA