A reputação das Forças Armadas está em risco, alerta Traumann

Integrantes das Forças Armadas em cerimônia de comemoração do Dia do Soldado, no Quartel General do Exército, em Brasília, em 23 de agosto de 2019

Brasileiro confunde FFAA com governo

Militares aceitaram ser parte da tragédia

Em menos de 18 meses, o governo do capitão Jair Bolsonaro mudou a relação do país com as suas Forças Armadas. Trinta e cinco anos depois de deixar o governo pela porta dos fundos do Palácio do Planalto com o presidente general João Figueiredo, as Forças Armadas recuperam com o capitão Bolsonaro um protagonismo único na democracia. São 10 ministros militares e 2.900 com cargos em comissão, recebendo gratificações além do soldo para, em sua grande maioria, desempenhar funções exercidas por civis. Essa simbiose do presidente com as Forças Armadas recolocou o Exército como um dos eixos da política, ressuscitou o espantalho de uma intervenção militar e está fazendo mal à reputação das Forças Armadas.

Pesquisa DataPoder360 revelou uma confusão entre a imagem das Forças e o governo. Nos números frios do levantamento,  29% dos brasileiros confiam totalmente na atuação das Forças Armadas. Outros 35% dizem confiar mais ou menos e 18% confiam pouco –ou seja, 50% afirmam ter alguma desconfiança da atuação militar. Outros 14% afirmaram não confiar nos militares.

A sondagem DataPoder360 mostra que a confiança nas Forças está diretamente vinculada à aprovação do governo Bolsonaro. 54% das pessoas que confiam totalmente na atuação das Forças avaliam o governo como “ótimo” ou “bom”. Somente 5% dos que têm essa percepção sobre o trabalho do chefe do Executivo não confiam nos militares. Entre os que rejeitam a administração do capitão Bolsonaro, 22% afirmam não ter confiança nas Forças Armadas. Ou seja, para muitos brasileiros, o presidente e os militares estão se tornando uma coisa só. Isso é bom apenas para o presidente.

Um outra pesquisa divulgada na 2ª feira (15.jun.2020), pelo Instituto da Democracia também mostra desgaste dos militares. Por esse levantamento, há mais brasileiros que confiam  “mais ou menos” (33,8%) do que “muito” (27%) na atuação das FFAA. A revelação mais importante dessa pesquisa foi a de que para 58,7% a presença dos militares no governo Bolsonaro não ajuda a democracia no país, enquanto 30,1% acham que sim. De novo, os militares estão reduzidos ao terço da população que aprova Bolsonaro.

Esses números estão muito abaixo da média histórica de confiança nas Forças Armadas ao longo da democracia. Em julho de 2019, por exemplo, pesquisa do Datafolha mostrou que as Forças Armadas eram a instituição mais confiável pela sociedade. Naquele momento, 42% dos entrevistados responderam que confiavam muito nos militares, 38% que confiavam um pouco e 19%, que não confiavam. Pesquisas anteriores tanto do Datafolha quanto da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas, de 2014 a 2017, sempre mostraram as Forças Armadas como a instituição mais confiável dos brasileiros.

O que está mudando esta imagem é o governo Bolsonaro. Desde a posse, houve duas fases distintas nesta relação. Na primeira, demarcada pela demissão humilhante do general Santos Cruz da Secretaria de Governo, havia uma crença de que o Exército poderia enquadrar o presidente. Bobagem.

Na segunda etapa, a partir da posse do general Luiz Ramos na Secretaria de Governo, e principalmente com a chegada do general Braga Netto na chefia da Casa Civil, o Exército embarcou completamente no governo. Os generais do Palácio do Planalto passaram a misturar os seus desejos legítimos de fazer o governo dar certo como uma missão das Forças Armadas. Essa confusão entre o poder dos generais e a imagem das Forças Armadas terá um preço.

Desde o início da pandemia do coronavírus, o presidente tomou duas atitudes coordenadas que marcarão o futuro do seu mandato e, por consequência, da relação dos militares com a sociedade. A primeira foi minimizar a doença, boicotar o trabalho científico dos técnicos do Ministério da Saúde, romper com os governadores que decretaram interdições em seus Estados, incentivar o desrespeito às quarentenas e abrir uma gigantesca frente de guerra contra o Supremo Tribunal Federal pelo direito de intervir nos Estados. Este movimento incluiu o expurgo de ministros considerados pouco confiáveis (Luiz Mandetta e Sergio Moro), o uso da Polícia Federal contra governadores adversários (Wilson Witzel e Helder Barbalho) e o incentivo às manifestações pela volta da ditadura.

Simultaneamente, Bolsonaro passou a usar abertamente a possibilidade de uma intervenção militar como uma alternativa possível no impasse com o STF. Bolsonaro convenceu a maior parte da oficialidade de que as ações do STF estavam limando o Poder Executivo e que ele, apesar dos maus modos, era a vítima da relação. Mesmo entre os poucos militares que vocalizam críticas ao capitão Bolsonaro, todos consideram que o STF “passou do ponto”.

As Forças Armadas também. Ao aceitar a indicação, ainda que provisória, do general Eduardo Pazuello para o Ministério da Saúde, o Exército cometeu um dos maiores erros dos últimos anos. Sem nenhuma experiência em saúde, Pazuello se cercou de outros militares igualmente inexperientes para tornar-se gerente da pior gestão de combate ao coronavírus no mundo.

Nos 30 dias em que o general comanda a pasta, o número oficial de contaminados  quase quadruplicou (foi de 218 mil para 888 mil), enquanto o número oficial de mortos quase triplicou (de 14.800 no dia 15 de maio para 43.900 casos na 2ª feira). O Brasil já é o 2º país com maior número de mortos e registrou em 7 dias a maior média diária de óbitos provocados pelo novo coronavírus em todo o mundo. Projeção do  Instituto de Métricas e Avaliação da Saúde da Universidade de Washington, usada pela Casa Branca nos seus monitoramentos, aponta que o Brasil pode se tornar o país com o maior número de mortos do mundo em 29 de julho. Se não houver nenhuma mudança significativa no avanço da pandemia no país, o Brasil teria 137.500 mortos e os EUA, 137.000. É uma tragédia da qual os militares não terão como se livrar.

Em vez de enfrentar o negacionismo do presidente, os militares do Exército cumpriram ordens. Primeiro, eles relaxaram o acesso dos pacientes à cloroquina, droga com efeitos contraditórios no tratamento da covid-19. Depois se envolveram numa estúpida tentativa de manipulação dos dados sobre mortos e contaminados, encerrada por uma pressão da Justiça e a possibilidade de o governo ser desmoralizado pela coleta de informações de um consórcio de jornais. Em vez de cuidar dos pacientes, os militares no Ministério da Saúde foram censurar as planilhas –um dano ao país que juraram servir.

O governo Bolsonaro eventualmente vai passar. Exército, Marinha e Aeronáutica, como instituições de Estado, ficarão. Poderão sair com o respeito que obtiveram ao longo de todos os governos democráticos ou pela porta dos fundos, sendo usados para pressionar as instituições para uso político do detentor do poder e sócias de um desastre sanitário que vai marcar uma geração.

Há sempre alternativas. Em dezembro de 1989, com Fernando Collor eleito e o Brasil em um processo de hiperinflação, o então ministro da Fazenda, Maílson da Nóbrega propôs ao presidente José Sarney que ele renunciasse para antecipar a troca de poder. Sarney chamou uma reunião de apenas 10 ministros, sendo 5 militares. Maílson explicou a situação e o exemplo argentino de Raúl Alfonsin que havia renunciado em circunstâncias semelhantes para dar posse a Carlos Menem.

Maílson foi interrompido pelo então ministro do Exército, o general Leônidas Pires. O general lembrou que a renúncia mancharia a imagem dos militares na transição democrática e que o presidente “não tinha direito de sair e deixar uma bomba-relógio”. Ao final, a posição legalista do general Pires prevaleceu e em março de 1990, o país completou a sua transição para o primeiro governo eleito desde 1961. Assim como naquele impasse, também agora os militares têm a opção de tomar as melhores decisões.

PODER 360