Bolsonaro é retratado como criminoso de guerra em vídeo sobre Amazônia

Vídeo Climate War, com versões em inglês, espanhol, francês e alemão, marca início de uma nova “agenda de autodefesa” dos povos indígenas

O vídeo Climate Wars, lançado nas redes sociais nesta quarta-feira (13/1), em formato de paródia dos noticiários cinematográficos produzidos durante a Segunda Guerra Mundial, apresenta o presidente Jair Bolsonaro como um inimigo climático, que precisa ser parado e responsabilizado por seus crimes antes que as consequências sejam graves demais para todo o planeta.

A produção questiona se governos e empresas estão agindo para defender ou para destruir a Amazônia, massacrando os povos nativos que habitam o bioma há séculos. Além disso, mostra quais setores produtivos estão contaminados pelas atividades ilegais que desmatam, queimam, contaminam rios e matam indígenas.

O formato escolhido, que remete à Segunda Guerra Mundial, visa explicitar que não se trata de crítica a um país, mas a um governante. O vídeo Climate Wars atribui os crimes que estão sendo cometidos na Amazônia a Bolsonaro, não ao Brasil. Ou seja, o ponto central do vídeo é a responsabilização de Jair Bolsonaro pelo ataque ao clima global, à biodiversidade da floresta e à vida dos povos nativos.

METRÓPOLES