Bolsonaro volta a negar que houve golpe militar em 1964

Bolsonaro presta continência em evento da Justiça MilitarImagem: Pedro Ladeira – 28.mar.2019/Folhapress

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), em postagem realizada na noite de hoje, voltou a dizer que não houve golpe militar em 1964. “A verdade: o Marechal foi eleito de acordo com a Constituição”, escreveu em postagem no Facebook. Bolsonaro traçou uma pequena linha do tempo, a partir do dia 2 de abril, descrevendo que o Congresso tinha declarado vago o cargo de Presidente da República, temporariamente ocupado pelo deputado Ranieri Mazzilli.

Na sequência, Bolsonaro citou eleições indiretas, em 11 de abril, que elegeram o Marechal Castelo Branco como Presidente da República. “A verdade: o Marechal foi eleito de acordo com a Constituição e não houve golpe em 31 de março”, escreveu.

ais cedo, o presidente se referiu ao aniversário do golpe militar de 31 de março de 1964 como o “grande dia da liberdade”. A declaração aconteceu durante a manhã em resposta a um apoiador que mencionou a data na saída do presidente no Palácio da Alvorada. Ex-deputado federal e capitão reformado do Exército, Bolsonaro é defensor do golpe de 64, que iniciou o período da ditadura militar no Brasil até 1985. Desde que assumiu a Presidência, em janeiro de 2019, o chefe do Executivo nomeou militares para diversos departamentos e ministérios.

Jair Messias Bolsonaro

há 2 horas

– 31/Março/64, um pouco de História:

– 02/abril/64: o Congresso declara vago o cargo de Presidente da República. Assume o Deputado Ranieri Mazzilli.
– 11/abril/64: em eleições indiretas o Congresso elege o Marechal Castelo Branco como Presidente da República, de acordo com a Constituição de 1946.
– 15/abril/64: assume a presidência o Marechal Castelo Branco.

Com informações da Agência Estado
UOL