CPI da EXTORSÃO anima a política ourinhense, mais um candidato a prefeitura!

Enquanto sozinho na publicidade política durante a gestão 2016/2020, diga-se em grande parte pessoal utilizando dessa para direcionamento às suas redes sociais em particular com uma verba publicitária astronômica a frente do Executivo ourinhense, agora com supostos quase 600 cargos comissionados segundo comentários e questionamentos nas redes sociais que ainda se deve apurar se verdade ou mentira, inclusive com contratações recentes, durante a pandemia e até quarentena, o prefeito de Ourinhos goza, evidentemente de uma grande dianteira junto aos possíveis concorrentes.

No entanto, com o escândalo do advento CPI da EXTORSÃO agora em pleno andamento junto a Câmara Municipal, iniciado com a denúncia do empresário Ricardo Simões, da Delfim Verde, ainda que suspenso devido a denúncia ocorrida às vésperas da ouvida do denunciante, efetuada por funcionário público ocupando cargo de comissão do denunciado Lucas Pocay e secretários, mas que deverá voltar à ativa já na próxima semana com a participação do suplente do vereador Vadinho, o eletricitário Paladino, que atuará apenas na CPI da EXTORSÃO, os pré-candidatos à prefeitura começaram a oficializarem seus nomes e se exporem a população para, em data oportuna, se tornarem candidatos oficiais e concorrentes do prefeito atual.

Duas semanas atrás o advogado e ex-secretário de Saúde de Ourinhos, André Mello, apresentou-se como pré-candidato, apoiado por um grupo que dominou por várias gestões o Executivo ourinhense e agora, nesta semana, foi a vez

Jornal Biz | Portal de conteúdo | Page 37 do vereador e também advogado Alexandre Dauage, o “Zóio”, colocar-se entre os pré-candidatos, apoiado por um outro grupo, este iniciante, ligado ao grupo do empresário Marinho, que pode ser seu candidato a vice prefeito.

Para o prefeito Lucas Pocay sem dúvidas que além de “democrático”, o processo eleitoral será muito mais tranquilo e a ele cômodo que tenha muitos candidatos concorrentes, pois já sai ao campo de batalha com mais de 20 mil votos e anos de publicidade preparatória para a disputa, sendo certo que esses votos não serão divididos e, contando com toda estrutura política de supostas mais de 1000  pessoas (por baixo), contando entre funcionários e comissionados tanto do Executivo como do Legislativo que domina junto com no mínimo 10 vereadores dependentes do Executivo, será um passeio tranquilo pelas urnas.

Ao contrário, tendo apenas um candidato concorrente, com a presente CPI da EXTORSÃO, o resultado poderia ser uma dúvida, muito trabalho na busca de apoiadores e votos, ainda que com uma grande vantagem sobre o segundo concorrente, pois não podemos esquecer que “um” voto apenas faz a diferença nas urnas, dá a vitória a quem o tiver.

Já vários candidatos, os votos se dividem em quantos forem os candidatos enquanto o número de votos do prefeito, de quem está no poder, permanece intacto, buscando ele apenas manter e melhorar, se puder, para ao final discursar para a maioria dos eleitores, embora seja prefeito de todos a partir das eleições.

É no mínimo injusto essa prática, mas é o que temos, justamente para dar poder a quem já está no poder, que está com o dinheiro, com os apoios garantidos pelas verbas públicas, pelas promessas, onde os concorrentes no máximo podem prometer a todos sem poder, na maioria das vezes, cumprir essas promessas.

Ainda temos muito tempo até as eleições e até vencer o prazo para as candidaturas pode aparecer mais candidatos….

Que Deus ajude a população ourinhense…

JORNAL TABLÓIDE