CPI da Lavajatinho de Ourinhos quase no final das audiências públicas

CPI da Lavajatinho de Ourinhos quase no final das audiências públicas




Pedidos de prisões preventivas não estão descartadas


Depois do recesso parlamentar a Câmara Municipal votou, logo no primeiro dia de sessão ordinária, as contas rejeitadas pelo TCE, do ano de 2012, do ex-prefeito e pré-candidato Toshio Misato, optando a maioria dos parlamentares pelo voto favorável ao parecer do TCE, o que tornou inelegível o ex-prefeito.

Nesta terça-feira, dia 02 de agosto, uma das últimas audiências públicas para interrogatório, pelos membros da CPI, das pessoas supostamente envolvidas no grande esquema descoberto de desvio de dinheiro público por intermédio de uma verdadeira organização composta para, com várias empresas de um mesmo proprietário, concorrerem em licitação pública para fornecimento a Prefeitura Municipal de Ourinhos de materiais de construção e elétricos que suspeita-se, nunca chegaram a ser entregues no almoxarifado municipal, foram entregues em quantidade menor ou em qualidade inferior, para obtenção de lucro ilícito durante anos, com envolvimento de funcionários públicos municipais e empresas particulares sediadas em Cambará-PR, os quais já quase todos foram ouvidos.




Na terça, dia 02, primeiro foi ouvida uma das funcionárias das empresas, Sra. Aurilene Aparecida de Oliveira, a qual forneceu poucas informações necessárias, abstendo-se a sempre lembrar os membros da CPI que sua função é apenas de venda de materiais, ou seja, é uma vendedora que há décadas trabalha na empresa.
































Em segundo lugar, o Padre Genésio Bertinatti sentou à cadeira dos interrogados e, perguntado o necessário, respondeu apenas que faz parte da empresa por herança, não porque participe dos negócios, sendo certo que não tem conhecimento de nada que diz respeito a empresa, sendo, portanto, dispensado pela Comissão.
























Em terceiro e ao final, o servidor público Gilson, pregoeiro lotado no setor de compras da Prefeitura de Ourinhos, respondeu a várias perguntas, sempre retrucando ou discordando, de forma nervosa e demonstrando não estar disposto a colaborar com as investigações da CPI, o que o colocou, segundo demonstrou, em posição de destaque no caso 





LAVAJATINHO, fato comprovado com sua saída ao juntar-se e ser felicitado alegremente pelo grupo que o aguardava ainda em plenário após serem ouvidos, funcionária e supostos proprietários das empresas investigadas, demonstrando afinidade com os gestores. 






A CPI da LAVAJATINHO, já em final de investigações está sendo acompanhada de perto pelo Ministério Público, para que ao final tenha um melhor entendimento do caso que deverá ser encaminhado para providências, havendo até quem diga que haverá prisões em breve, diante de falsas declarações realizadas na CPI e sobre as próprias participações de cada um no esquema que desviou em torno de 06 milhões dos cofres do Município de Ourinhos.