Davi Alcolumbre, presidente do Senado, é diagnosticado com covid-19

Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidente do Senado FederalImagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, foi diagnosticado com covid-19 e está em isolamento domiciliar. Segundo sua assessoria, o senador refez o exame na noite de ontem e o resultado saiu hoje no final da tarde. Ele é mais uma pessoa próxima ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) contaminada pelo novo coronavírus – os ministros General Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Almirante Bento Albuquerque (Minas e Energia) também foram diagnosticados hoje.

“Alcolumbre, no entanto, está bem, sem sintomas severos, salvo alguma indisposição, e segue em isolamento domiciliar, conforme determina o protocolo de conduta do Ministério da Saúde e a OMS [Organização Mundial da Saúde]”, diz a assessoria.

No dia 14 de março, Alcolumbre fez o primeiro teste para o coronavírus e o resultado foi negativo. Segundo a assessoria do Senado, na ocasião, não tinha sintomas da doença, mas realizou o exame após ter contato com algumas pessoas suspeitas de estarem com o vírus. Depois de voltar de viagem dos Estados Unidos com a comitiva do presidente Bolsonaro, o senador Nelsinho Trad (PSD-MS) estava com o novo coronavírus, mas ainda não sabia. Neste período, ele se reuniu com parlamentares, embaixadores, ministros e com Alcolumbre. O senador também presidiu a sessão de uma comissão no Congresso e participou até de encontro para discutir o avanço da covid-19 no país.

Hoje, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, durante coletiva sobre o coronavírus, que o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, também foi diagnosticado com a doença do novo coronavírus. Mais cedo, o ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general Augusto Heleno, foi mais um que recebeu resultado positivo de teste para coronavírus. Tanto Albuquerque quanto Heleno estiveram com Bolsonaro na comitiva que visitou o presidente norte-americano Donald Trump em Miami, no início de março. Ao todo, 18 pessoas que estiveram com o presidente nos Estados Unidos já testaram positivo para a doença.

UOL