Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, é preso 0:51 …

Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, foi preso na manhã de hoje em Atibaia, cidade do interior paulista, numa ação conjunta do MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) e do MP-SP (Ministério Público de São Paulo). Ele foi transferido para o Rio, onde chegou pouco depois das 12h, e deve ficar detido no presídio de Benfica, na zona norte.

Queiroz foi localizado e preso em um imóvel que pertence a Frederick Wassef, advogado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e de seu filho Flávio. Ontem, Wassef esteve na posse do novo ministro das Comunicações, Fabio Faria (PSD), que contou com a presença do presidente.

A prisão é preventiva, ou seja, com prazo indeterminado.

Policiais também realizaram busca e apreensão no local. Um imóvel nas proximidades de uma casa declarada por Jair Bolsonaro à Justiça Eleitoral também foi alvo de busca e apreensão em Bento Ribeiro, na zona norte carioca.

Polícia apreendeu celulares de Queiroz em Atibaia.

O delegado da Polícia Civil de São Paulo Osvaldo Nico Gonçalves, que participou da prisão, disse que o caseiro do imóvel de Atibaia informou que Queiroz estava na casa do advogado há cerca de um ano. De acordo com o delegado, Queiroz estava sozinho na casa quando os policiais chegaram. “A reação dele [Queiroz] foi tranquila, não esboçou reação. Só falou que estava um pouco doente”, declarou o delegado. Queiroz trata de um câncer.

Gonçalves afirmou ainda que foram apreendidos com Queiroz dois celulares, documentos e uma pequena quantia em dinheiro —o valor não foi revelado. Queiroz foi levado para o Palácio da Polícia, no centro de São Paulo, para procedimentos legais e, em seguida, transferido para o Rio de Janeiro, onde deve ficar detido no presídio de Benfica, na zona norte. A operação, batizada de Anjo, cumpre ainda outras medidas autorizadas pela Justiça relacionadas ao inquérito que investiga suposto esquema de rachadinha, em que servidores da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) devolveriam parte de seus salários ao então deputado Flávio Bolsonaro, que exerceu mandato de 2003 a 2019.

No Twitter, Flávio disse que encara a prisão com “tranquilidade” e que “a verdade prevalecerá” “Mais uma peça foi movimentada no tabuleiro para atacar Bolsonaro. Em 16 anos como deputado no Rio nunca houve uma vírgula contra mim. Bastou o presidente Bolsonaro se eleger para mudar tudo! O jogo é bruto!”, escreveu….

Flavio Bolsonaro ✔ @FlavioBolsonaro

Encaro com tranquilidade os acontecimentos de hoje. A verdade prevalecerá! Mais uma peça foi movimentada no tabuleiro para atacar Bolsonaro. Em 16 anos como deputado no Rio nunca houve uma vírgula contra mim.Bastou o Presidente Bolsonaro se eleger para mudar tudo! O jogo é bruto!… 

Jair Bolsonaro ainda não se pronunciou. Hoje de manhã, ele ignorou apoiadores que o aguardavam e passou direto pela portaria do Palácio da Alvorada. No local, o mandatário costuma parar todos os dias a fim de conversar com seus seguidores. A reportagem não conseguiu contato com as defesas de Queiroz e Wassef.

Em nota, o MP-RJ informou que contra outros suspeitos obteve na Justiça decretação de medidas cautelares como busca e apreensão, afastamento da função pública, comparecimento mensal em juízo e proibição de contato com testemunhas.

São eles:

Matheus Azeredo Coutinho, servidor da Alerj; Luiza Paes Souza, ex-funcionária da Alerj; Alessandra Esteve Marins, funcionária do gabinete do senador Flávio Bolsonaro e ex-funcionária da Alerj Luis Gustavo Botto Maia, advogado

O UOL procurou Maia por telefone e e-mail. Ele ainda não respondeu.

Procurado, o gabinete de Flávio Bolsonaro ainda não se pronunciou sobre a assessora Alessandra Marins.

O UOL não conseguiu contato com Luiza Souza.

Procurada, a Alerj ainda não forneceu informações sobre as atividades de Coutinho na casa.

Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, é preso em São Paulo…

UOL