FMI projeta para este ano recessão global ‘igual ou pior’ à da crise de 2008

A presidente do fundo, Kristalina Georgieva, afirmou que ‘investidores já retiraram US$ 83 bilhões de mercados emergentes’ desde o início da crise deflagrada pela covid-19

Diz esperar recuperação em 2021

Países emergentes perdem cifra recorde

Fundo destina US$ 1 tri contra pandemia

O FMI (Fundo Monetário Internacional) projeta recessão econômica mundial para 2020. De acordo com a diretora do fundo, Kristalina Georgieva, a crise desencadeada pelo coronavírus “será tão ruim ou pior” que a de 2008, quando ocorreu o estouro da bolha imobiliária nos Estados Unidos, levando mercados ao colapso. “Mas nós esperamos recuperação em 2021”, ponderou Georgieva.

As declarações foram feitas nesta 2ª feira (23.mar.2020), depois de conferência com representantes do G20 –grupo dos ministros de finanças e chefes dos bancos centrais das 19 maiores economias do mundo e da União Europeia. Leia a íntegra (36 KB) do comunicado de Georgieva (em inglês).

A diretora do FMI elogiou as intervenções econômicas de diversos países e bancos centrais para fortalecer os sistemas de saúde, auxiliar o setor privado e facilitar a política monetária. Contudo, Georgieva disse considerar que “será necessário ainda mais, sobretudo na frente fiscal”.

O fundo está disposto a usar toda sua capacidade para empréstimos: US$ 1 trilhão, o equivalente a R$ 5,08 trilhões pela cotação atual. De acordo com Georgieva, cerca de 80 países já pediram ajuda ao FMI em decorrência do impacto econômico da covid-19.

A principal preocupação, de acordo com a diretora, são os países de baixa renda que já estão endividados. Ao comentar os desafios enfrentados pelos países emergentes, Georgieva destacou que “investidores já retiraram US$ 83 bilhões de mercados emergentes desde o início da crise, a maior quantia já registrada”.

BANCO MUNDIAL: US$ 150 BILHÕES EM 15 MESES

O presidente do Banco Mundial, David Malpass, endossou a posição do FMI de esperar recessão econômica para 2020. Ele afirma que serão necessárias “reformas estruturais” por parte dos países para agilizar a recuperação econômica “e criar a confiança de que ela pode ser forte”.

A instituição planeja injetar US$ 150 bilhões (R$ 761,9 bilhões) ao longo dos próximos 15 meses para minimizar os efeitos econômicos da covid-19. Acesse a íntegra (40 KB) do comunicado de Malpass (em inglês).

Assim como Georgieva, o presidente do banco afirma que a crise será pior para os países pais pobres. A AID (Associação Internacional de Desenvolvimento), braço do Banco Mundial para mitigar a pobreza, pretende dispor de US$ 35 bilhões.

Os recursos devem ser aplicados para combater os efeitos da pandemia, e não para o pagamento de credores, de acordo com Malpass. Ele pediu aos líderes do G20 que suspendam os pagamentos das dívidas dos países mais vulneráveis até que o Banco Mundial e o FMI tenham avaliado as necessidades de “reconstrução e financiamento” dos mesmos –o que deve ocorrer em abril.

PODER 360