Gravidez de ‘novinhas’ é problema complexo, diz Hamilton Carvalho

Campanha “Tudo tem seu tempo” fala em abstinência sexual para crianças e adolescentes

É 1 marcador de pobreza

Abstinência não funciona

Benefício infantil pode ajudar

Proposta está no Congresso

termo “novinha”, que já faz parte da cultura popular brasileira, apareceu recentemente no lançamento do programa do governo federal de prevenção à gravidez na adolescência.

No evento, a bem-intencionada (reconheço) ministra Damares Alves (Ministério da Mulher Família e Direitos Humanos), disse que passaria a cuidar delas (das novinhas) para evitar as consequências negativas do sexo antes da hora.

De fato, o problema no Brasil é especialmente sério: o país tem uma taxa desse tipo de gravidez que é bem maior do que a média mundial.

Infelizmente, a abordagem adotada pelo Ministério da Família, com foco no adiamento da vida sexual, não deve fazer cócegas no problema. Nem as receitas ingênuas que têm pipocado por aí, como a do comentarista Rodrigo Constantino, para quem a questão se enfrenta com o “resgate” de valores morais e o fortalecimento da família e das igrejas. Não se combate obesidade pedindo para as pessoas comerem menos. A mesma ideia vale para a avalanche anual de partos feitos em “novinhas”.

Como sempre enfatizamos neste espaço, a competência mais relevante e a menos valorizada na gestão (pública ou privada) é a capacidade de definir bem os problemas. É o que está faltando aqui.

Gravidez na adolescência é marcador de pobreza. Lugares mais pobres, em termos absolutos ou relativos, costumam ter maior índice de bebês nascidos de mães com até 19 anos. Isso acontece para onde quer que se olhe –bairros, cidades, regiões ou países.

É preciso, então, ir um pouco mais a fundo e entender como a carência social (em especial a urbana) está por trás dessas gestações.

A literatura acadêmica indica que a pobreza urbana é, na sua essência, uma combinação de escassez, sujeição a riscos diversos e estresse. A escassez é de tudo, de recursos financeiros a tempo, de suporte social a voz. Mães sem creche não protestam na Avenida Paulista. Viver na pobreza é também estar sujeito a um nível maior de riscos, associados, por exemplo, com crimes e condições inadequadas de moradia. E é viver sob estresse constante.

Os efeitos não tardam a aparecer.

Considere a chamada primeiríssima infância, que vai da gestação aos primeiros anos de vida de uma criança. Nesse intervalo de tempo, conforme amplo conjunto de pesquisas científicas, o estresse pode ter efeitos fortemente negativos na formação de mecanismos biológicos e psicológicos básicos do indivíduo, especialmente quando há déficit de atenção e afeto por parte de pais ou cuidadores.

Quando esses alicerces essenciais não se firmam bem, a tendência é a formação de indivíduos com baixo autocontrole, por exemplo. As crianças terão maior chance de ter desempenho escolar insatisfatório, entre outros problemas, e, se forem mulheres, de replicar o ciclo da gravidez precoce.

Essa quase-maldição é amplificada em sociedades como a brasileira, incapazes de oferecer oportunidades iguais para todos –aqui faltam creches e serviços públicos de qualidade a quem mais precisa.

E, para piorar, os efeitos vão longe e podem se transmitir entre mais de uma geração. Um estudo recente sugere que avós que deram à luz muito cedo podem ter netos com dificuldade escolar, mesmo se estes nasceram de mães já adultas.

Mas não para por aí. A experiência de condições sociais adversas também tende a ativar aquilo que a teoria da história de vida (life history theory) chama de estratégia rápida.

Resumindo, a ideia é que compartilhamos com outros animais (para espanto de alguns) uma resposta inata aos riscos que encontramos no nosso ambiente físico e social. Quando esses riscos são instintivamente percebidos como elevados, a energia do organismo é direcionada à reprodução rápida e ao pouco cuidado com sua prole. Vida loka.

Com humanos, as evidências sugerem que experiências ruins na primeiríssima infância e condições sociais precárias ativam essa estratégia, que se traduz em comportamentos sexuais precoces e na tendência à formação de pais e mães insensíveis, o que só realimenta o círculo vicioso.

GOL DE DAMARES

Não é que bons programas públicos não possam ter efeito sobre o problema. Se abstinência, por si só, comprovadamente não funciona, a experiência internacional recomenda intervenções que combinam educação, treinamento em habilidades emocionais e disponibilização de métodos contraceptivos.

Mas a questão é que esses programas, quando bem estruturados, apenas evitam que uma parte das “novinhas” se afogue em um rio em que nem deveriam ter entrado.

O que tira as pessoas desse rio metafórico são políticas públicas que reduzem a percepção de riscos nos contextos de pobreza, as que oferecem boas perspectivas de vida para os jovens e os programas sociais voltados para os primeiros anos das crianças.

Nessa linha, uma bola que está quicando na área é a excelente proposta do benefício universal infantil, atualmente em análise no Congresso Nacional. Fica a dica para a ministra Damares: se ajudar o país a fazer esse gol, a senhora estará contribuindo mais com a vida das “novinhas” do que imagina.

PODER 360