MP vê indícios de que Iurd foi usada em lavagem de dinheiro no Rio, diz TV

Prefeito do Rio, Marcelo Crivella (Republicanos), é bispo licenciado da entidade religiosa

O MPE-RJ (Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro) afirma ter encontrado indícios de que a Iurd (Igreja Universal do Reino de Deus) tem sido “utilizada como instrumento para lavagem de dinheiro fruto da endêmica corrupção instalada na alta cúpula da administração municipal” do Rio. O prefeito do Rio, Marcelo Crivella (Republicanos) é bispo licenciado da entidade religiosa. As informações foram divulgadas neste sábado pelo telejornal “RJ2” e pelo portal G1, da Globo. Segundo a reportagem, o MPE-RJ viu indícios de movimentações bilionárias atípicas. O registro foi feito em um documento de 262 páginas, assinado no último dia 2 de setembro. O UOL consultou o Ministério Público para confirmar as informações e até o momento não obteve resposta.

A petição cita a existência de um relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) apontando que, entre 5 de maio de 2018 e 30 de abril de 2019, a Universal foi “objeto de comunicação em razão da identificação de movimentações financeiras de R$ 5.902.134.822,00”. O documento teria informações de CNPJ da igreja e inclui entrada e saída de dinheiro vivo. O registro de movimentação atípica não significa a existência de um crime. Em nota, a Iurd acusa o grupo Globo e autoridades de promoverem um “ataque combinado”, com informações vazadas, e afirma que não sabe da investigação e da existência desse documento ou das denúncias apresentadas, não podendo assim comentar o teor.

A Universal ainda assim nega as acusações e afirma que sua movimentação financeira é completamente lícita e declarada aos órgãos competentes. “Não há nenhuma relação financeira entre Marcelo Crivella, suas campanhas políticas e a igreja” acrescenta a nota. A reportagem diz que os documentos não detalham o funcionamento da suposta lavagem de dinheiro. A petição, no entanto, aponta que é possível fazer a alegação após analisar “movimentações bilionárias atípicas” da igreja e, a relação de Crivella com a Universal e o suposto envolvimento de Mauro Macedo, primo de Edir Macedo (fundador da entidade religiosa) na trama.

Primo de Edir Macedo, Mauro foi coordenador de campanhas políticas de Crivella e foi citado em delações da Lava Jato por supostamente receber Caixa 2. Ainda segundo a reportagem, as autoridades analisaram supostas mensagens enviadas do aparelho celular apreendido com Rafael Alves em março deste ano, na primeira fase da operação Hades. Alves é apontado como um nome de grande influência no governo de Crivella.

Em contato com a reportagem, Crivella disse que não há nada no processo que descreva qualquer ato ilícito praticado por ele. Além disso, ele afirma que nada foi encontrado nas buscas que aconteceram em sua casa, no gabinete, em banco ou celular. Já a defesa de Rafael Alves refutou as acusações, as chamou de precipitadas e alegou que tenta prestar esclarecimentos ao Ministério Público há nove meses, mas não teve oportunidade. O UOL procurou a Iurd, mas não obteve resposta.

UOL