Ourinhos não tem álcool em gel a venda e o que existe possui preços absurdos

Ourinhos e região não têm disponibilidade ou acesso ao álcool em gel e máscaras necessárias no combate ao Coronavírus

Uma volta pelos supermercados e farmácias em Ourinhos bastou para constatar a falta do precioso líquido nas prateleiras, e onde tem os preços são abusivos, extorsivos contra a população, em especial aos menos favorecidos.

Pessoas surgem gradativamente aumentando de número perguntando pelo produto tão divulgado em todas as mídias como necessário no combate ao Coronavírus e, inconformadas, retornam a seus lares de mãos vazias.

Quase impossível quantificar quantos frascos haviam nas prateleiras dos supermercados e farmácias antes do anúncio de urgência na compra do álcool gel, que rapidamente sumiram do mercado e quando estão a mostra, nas farmácias em especial, como já dito, com preços extorsivos às pessoas de baixa renda, que não possuem condições financeiras para adquirir um frasco sequer, mas ainda que reclamando, quem tem condições pagam até 3 ou 4 vezes o seu real valor por conta do Coronavírus.

Ourinhos não é uma pequena cidade, é uma fonte regional no comércio de todos os tipos de materiais, inclusive farmacêutico, atendendo dezenas de cidades menores que orbitam suas divisas, tendo milhares de visitantes diariamente buscando por seus produtos, por seus comércios e indústrias, não podendo, socialmente, dar vantagens a um em desfavorecimento do outro, seja no que for, em especial em casos emergenciais como o que estamos vivenciando hoje.

Daí urge, de uma forma ou de outra, que se formalize uma maneira dos poderes públicos adequarem o comércio, desde que a Associação Comercial ainda não o fez, no caso dos produtos necessários a prevenção do Coronavírus, como máscaras, álcool em gel e outros que surgirem e que podem prevenir o contágio, dizendo isso quando deveria o fato partir, ou já ter partido, dos próprios poderes públicos, não entendendo ainda o porquê de o comércio desses produtos não ter sido organizado, até então, limitando quantidade por cliente, impondo preços corretos e apontando disponibilidades.

JORNAL TABLÓIDE