PCC mapeou Distrito Federal para se instalar em áreas nobres

Escolha por regiões como lagos Sul e Norte e Jardim Botânico levou em consideração menor policiamento na área e proximidade com presídio

 

Alvo de megaoperação deflagrada pela Polícia Civil (PCDF), o Primeiro Comando da Capital (PCC) fez um mapeamento do Distrito Federal em busca de pontos estratégicos para abrigar “casas de apoio” da facção. Os imóveis seriam locados em áreas de alto poder aquisitivo e serviriam de abrigo para criminosos de outros estados, além de depósito para armazenamento de drogas e armas.

As informações foram levantadas pela Divisão de Repressão a Facções Criminosas (Difac) durante investigação que sucedeu a Operação Guardiã 61. De acordo com os investigadores, os membros do PCC já haviam mapeado residências nos lagos Sul e Norte, além do Jardim Botânico.

A localização escolhida pelos criminosos se deve, também, à proximidade das regiões administrativas ao Presídio Federal de Brasília, que atualmente abriga o líder do PCC: Marcos Willians Herbas Camacho, mais conhecido como Marcola.

Além da curta distância entre os imóveis e a unidade prisional, o alto poder aquisitivo das regiões foi outro ponto positivo observado pelos suspeitos, uma vez que o policiamento tende a ser maior em regiões consideradas mais perigosas.

“A escolha dessas casas de apoio se deu em função da proximidade com o presídio. O Lago Sul e o Lago Norte foram escolhidos não por acaso, mas para não gerar qualquer tipo de suspeita”, explicou o delegado-chefe da Difac, Guilherme Sousa Melo.

As residências seriam locadas em nome de advogados ligados ao PCC, que também foram alvo da operação deflagrada nessa terça-feira (07/01/2020).

“O poder econômico dessa facção é muito grande e permite selecionar esse tipo de endereço. Então, esse mapeamento e essa seletividade são dados preocupantes, que foram observados nessa investigação, que podem servir para nortear outra. Nós investigamos uma casa de apoio, em que o período de aluguel durou quatro meses”, continuou o delegado.

METRÓPOLES