Presidente da CPI da EXTORSÃO esclarece porquê denunciante se recusou a depor

Visando a busca pela verdade dos fatos o vereador e presidente da CPI da EXTORSÃO, Cícero de Aquino, esclareceu em nota informativa oficial o porquê que o empresário Ricardo Simões se recusou a depor na CPI no dia 18 de junho, o que causou um certo mal estar na população que aguarda o resultado ansiosamente, eis que o caso envolve de forma muito negativa o próprio prefeito da cidade de Ourinhos, que pode ter incorrido em crime de enriquecimento ilícito mediante extorsão.

Como presidente da CPI, o vereador Cícero de Aquino vem se desdobrando, não medindo esforços no sentido de proporcionar um resultado justo, na busca da verdade dos fatos, o que vem lhe custando, vergonhosamente, bravatas e demais incômodos impostos pela base de sustentação do prefeito na Câmara, que aparenta claramente sua indignação pela busca da verdade que poderá, em termos absolutos, prejudicar a reeleição do prefeito e o conforto da totalidade do grupo de apoio, mais de 10 vereadores  e quase 700 cargos comissionados além do escândalo que está pairando sobre a cidade. Se verdade, realmente uma vergonha.

Leia a nota:

NOTA INFORMATIVA 1/2020 – CPI “DELFIM VERDE”

Na qualidade de Presidente da CPI “DELFIM VERDE” em andamento na Câmara Municipal de Ourinhos, venho esclarecer e informar a população ourinhense sobre os trabalhos que vêm sendo realizados.

Após as reuniões preliminares, que resultaram na composição da Comissão, foi deliberada sobre a oitiva, na condição de testemunha, do Empresário RICARDO XAVIER SIMÕES, autor da denúncia apresentada à Polícia Federal de Marília/SP. Em 18 de junho de 2020, data da oitiva, um dos nomes citados no fato investigado se fez representar por Advogado. Por esse motivo, o Empresário se recusou a depor na CPI, mesmo após ser instruído que o Advogado tinha legitimidade para assistir seu cliente.

A oitiva não ocorreu em virtude do não comparecimento voluntário da testemunha na ocasião. Em razão disso, a Comissão deliberou, por maioria de seus membros, sobre a desistência do depoimento do Senhor Ricardo, a fim de dar sequência aos trabalhos, já que foi juntado aos Autos da CPI o Termo de Declarações prestado pelo Empresário junto à Polícia Federal de Marília.

Em outras palavras, foi decidido que a oitiva inicial não teria efeitos práticos, pois os fatos que ensejaram a criação da CPI já haviam sido relatados perante órgão oficial. No presente momento, a Comissão está diligenciando a juntada de documentos pertinentes à investigação e, em breve, deverá designar a oitiva de outras pessoas para a elucidação dos fatos.

Esclareço que, em oportunidade futura, poderá ser designada nova oitiva do Empresário, caso a Comissão julgue necessária a elucidação de pontos controvertidos que possam surgir.

Por fim, esclareço que, como Presidente da CPI, venho sugerindo providências junto aos demais membros para que os trabalhos se desenvolvam dentro da legalidade procedimental e dos parâmetros institucionais legítimos, a fim de que a investigação não se perca em interesses particulares e políticos.

Ourinhos/SP, 2 de julho de 2020.

CÍCERO DE AQUINO
Presidente da CPI

A população ourinhense aguarda com ansiedade o resultado final desta CPI, confiando na seriedade do presidente e seus membros para um trabalho sério e verdadeiro, digno da população ourinhense.

JORNAL TABLÓIDE

TABLÓIDE OURINHOS