Primeiro passo para um presidente cair é dado por ele próprio, escreve Marcelo Tognozzi

“Os erros que o presidente vem cometendo e sua falta de apetite para fazer política com P maiúsculo estão minando o apoio da classe média fiadora da sua eleição”, diz Marcelo Tognozzi

Panelas estavam mudas desde Dilma

São sinal de alerta para Bolsonaro

Destino de capitão não está selado

Mas cenário de incerteza é epidêmico

ERROU, DANÇOU

Catarinense de Lages, o desconhecido senador Dirceu Carneiro atravessou a Praça dos Três Poderes na manhã do dia 2 de outubro de 1992. Cultivava uns enormes bigodes pretos à moda dos gaúchos e carregava um envelope com a decisão do Senado de afastar o presidente da República Fernando Collor de Mello. A Casa iniciara o Processo de impeachment, cabendo ao primeiro-secretario Carneiro notificar o chefe do Executivo. Collor recebeu o documento e assinou com mãos trêmulas, acrescentando data e hora. Na cena seguinte, ele e a mulher Rosane deixam o Palácio do Planalto e vão pelos ares abordo de um helicóptero.

Passados 24 anos, no dia 12 de maio de 2016 foi a vez de outro desconhecido do grande público, Vicentinho Alves, do Tocantins, notificar a presidente Dilma Rousseff da decisão do Senado de levar adiante o processo de impeachment contra ela. Dilma resiste. Ao contrário de Collor, consegue ficar no cargo até 31 de agosto. Vestida de vermelho, deixa o palácio com um séquito de apoiadores, muitos deles em prantos.

Pude acompanhar de perto e ativamente estes 2 episódios de impeachment. O primeiro como repórter, o segundo como consultor. Hoje, olhando os 2 processos com distanciamento e sem emoção, tenho uma certeza: numa democracia, o primeiro passo para um presidente cair é dado por ele próprio.

Collor e Dilma, tão diferentes na origem – ele herdeiro rico, ela guerrilheira – e unidos pelo mesmo destino político foram presidentes parecidos. Para ambos, sua autoridade estava acima de tudo. Não gostavam da política cotidiana, do convívio, do aperto de mão, da prosa, da negociação. A prática política deles estava acima de todos, quando na realidade a verdadeira política é feita com e para as pessoas. Lula não esqueceu disso, superou o desgaste do mensalão e se reelegeu.

O próprio presidente asfalta o caminho da queda quando não se preocupa em cultivar amigos no Congresso, ignora que o ato de governar e fazer política andam juntos e são indissociáveis do poder. O poder dado pelo voto popular a um presidente da República é intransferível no seu exercício, porém não se sustenta em atitudes meramente pessoais. É um poder cuja estabilidade depende de um coletivo de parlamentares, governadores, prefeitos, funcionários públicos, líderes comunitários, uma rede enorme da qual o homem comum não fica de fora. Com cada um se compartilha um pedacinho para controlar o todo.

Já começamos a ouvir o som das panelas nas principais cidades do Brasil. Desde Dilma Rousseff elas estavam mudas. Sinal de alerta para Bolsonaro que tem cometido uma sucessão de erros, a começar pelos ciúmes de membros do seu governo. Ao invés de faturar com o sucesso dos ministros tenta solapá-los. Perdem todos. O conflito como tática de ação política não sobrevive numa calamidade como a que vivemos agora. Há que conjugar o verbo colaborar em todas as suas formas. Numa situação onde a necessidade de liderança se impõe como demanda coletiva, o presidente precisa falar para todos, não apenas para seus seguidores como insiste Bolsonaro. Até o pit bull Abraham Weintraub deu exemplo, baixou bola, suavizou o discurso e priorizou a colaboração.

O presidente da República vê a confiança das ruas indo embora, depois de perder a confiança do Congresso. Sua bancada encolhe e hoje ninguém sabe dizer com certeza se nos próximos meses ele terá 171 deputados leais dispostos a barrar um pedido de impeachment, caso Rodrigo Maia decida tratar do assunto. Já não são poucos os parlamentares que perderam o pudor de dizer que “Bolsonaro não rouba, mas é doido. O Mourão é honesto e não é doido”. O ex-presidente Lula ouviu coisas parecidas de muitos políticos quando transformou um hotel de luxo em Brasília num centro de articulações para tentar segurar Dilma no poder. Ela caiu pelos seus erros e defeitos, não pelas boas intenções.

Sarney e Temer superaram crises com mais acertos que erros, especialmente nas relações com o Congresso. Sarney manteve um mandato de 5 anos, quando a Constituição da época fixava em 6 e seus adversários na Constituinte queriam reduzir para 4 anos. Saiu com a popularidade em baixa, mas cumpriu seu mandato até o último dia.

Temer foi alvo de duas denúncias encaminhadas pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot, todas rejeitadas pela Câmara dos Deputados, apesar de alguns dos seus dirigentes conspirarem contra o presidente. Temer passou a faixa para Bolsonaro, foi para casa e continuou sendo perseguido pelos políticos do Ministério Público. Vem sobrevivendo bravamente.

É inútil esperar que Bolsonaro olhe para a História e aprenda com erros e acertos dos seus antecessores, porque não é do seu feitio nem cabe na sua personalidade. Os erros que o presidente vem cometendo e sua falta de apetite para fazer política com P maiúsculo estão minando o apoio da classe média fiadora da sua eleição. Não estou me referindo aos seguidores do presidente nas redes sociais: 10,8 milhões no Facebook, 15,45 milhões no Instagram, 6,1 milhões no Twitter e 2,7 milhões no Youtube, de acordo com a última pesquisa do MonitoraBR realizada entre os dias 19 de fevereiro e 18 de março. Ele ganhou novos seguidores neste período, aumentando em 9% a audiência no Facebook e 4% no Twitter. Mas isso não quer dizer que Bolsonaro tenha deixado de falar apenas para os seus fiéis e reconquistado os eleitores que votaram nele porque não queriam o PT.

Ainda é cedo para dizer se o destino de Bolsonaro está selado, mas neste cenário de incertezas, o vírus das conspirações acaba prosperando em ritmo de epidemia. Foi assim em 1930 e em 1964. Em 1992, o centro da conspiração contra Collor era a biblioteca do Senado, onde se reuniam políticos como Marco Maciel, Fernando Henrique, Guilherme Palmeira, José Serra e Roseana Sarney. Em 2016, o núcleo da conspiração contra Dilma era o gabinete do vice-presidente e também alguns escritórios elegantes instalados nos jardins. Nestes dois casos, a grande mídia demorou para embarcar na onda, o que não ocorre agora, já que a animosidade vem desde a campanha.

Bolsonaro mandou os políticos embora do Palácio e convocou os generais. O Congresso deu o troco e aprovou um gasto de R$ 20 bilhões. Mostrou que ali a guerra é diferente. O presidente estressou com o general Ramos, comandante da articulação política, que nada mais fez do que colocar em prática o que sabe. Militares são profissionais treinados para para acabar com o inimigo, jamais conviver com ele. Com os políticos passa exatamente o contrário. Incrível 1 presidente com 30 anos de Parlamento acreditar que uma articulação política comandada por generais seria sucesso absoluto de público e crítica. Equívocos em série somados ao tsunami de incertezas do corona vírus, mercados desmanchando e insegurança generalizada vão tornar o jogo cada vez mais difícil e bruto. Acertar virou sinônimo de sobreviver. Errou, dançou.

PODER 360