Registros de armas de fogo aumentam 120% em 2020, mostra relatório

Os dados de aumento no registro de armas de fogo constam do 14º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública

Apreensões de armas ilegais caem

Dados: Fórum de Segurança Pública

O número de registros de armas de fogo de colecionadores, atiradores e caçadores subiu 120% em 2020, no Brasil. O total de armas registradas no sistema da Polícia Federal, no qual constam as que estão em posse de cidadãos comuns, cresceu 65% de 2017 a 2019.

Os dados constam do 14º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, relatório divulgado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública nesta 2ª feira (19.out.2020). Eis a íntegra (4 MB).

No Brasil, existem 2 tipos de registros das armas de fogo. Um deles é feito pelo Exército: o Sigma (Sistema de Gerenciamento Militar de Armas de Fogo). Esse sistema reúne dados de armas de Forças Armadas, policiais militares estaduais, Abin (Agência Brasileira de Inteligência) e as usadas pelos chamados CACs (Colecionadores, Atiradores desportivos e Caçadores).

No Sigma existem 1.128.348 registros de armas de fogo ativos. Na categoria CAC estão listadas 496.172 armas. É esse número que é 120% superior ao registrado em 2019.

O 2º sistema é o da PF, o Sinarm (Sistema Nacional de Armas). Nele estão as armas da própria PF e as usadas por polícias civis estaduais, Polícia Rodoviária Federal, guardas municipais, órgãos como Ministério Público e Poder Judiciário e por cidadãos que tenham direito a posse ou porte.

Em 2017, o Sinarm tinha 637.972 registros de armas de fogo ativos. O número aumentou para 1.056.670 em 2019 –crescimento de 65,6%.

O anuário critica a existência de duas bases. Segundo o relatório, elas não são eficientes para indicar quantos cidadãos brasileiros possuem armas de fogo legais.

Os sistemas federais ainda não conseguem fornecer essa informação básica. Não ajuda a instabilidade jurídica promovida pelo sem-fim de decretos e alterações de portarias publicadas pelo Governo Federal a partir de janeiro de 2019”, diz Ivan Marques, presidente da Organização Internacional Control Arms e membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, no Anuário.

APREENSÕES DIMINUEM

O anuário mostra também que as apreensões de armas de fogo ilegais diminuíram. Foram 1,9% menos operações realizadas pela Polícia Rodoviária Federal e 0,3% menos apreensões feitas pelas polícias estaduais em 2019 em comparação com 2018.

Como os números demonstram 1 aumento significativo nos registros de armas ativos, tanto para civis quanto para forças de segurança, e, historicamente observa-se que parte dessas armas migra do mercado legal para o ilegal, infere-se que a diminuição das apreensões é também sinal de redução de interesse neste tipo de operação”, afirma Marques.

A queda mais acentuada foi na região Centro-Oeste. Em 2016, a região era a campeã em apreensões, com a retirada de 99 armas ilegais para cada 100 mil habitantes . Em 2019, o número caiu para 32,6 armas para cada 100 mil habitantes. Com a descida, o Centro-Oeste passou a ser a região brasileira que menos tira armas de fogo ilegais de circulação.

PODER 360