Tem algo errado na política ourinhense. Candidato está com bens bloqueados?

Tem algo errado na política ourinhense. Candidato está com bens bloqueados?

Antes, com os processos físicos, ajuda dos advogados que entravam com recursos protelatórios, ajuda outras financeiras e políticas, os casos de procedimentos irregulares e improbidade administrativa se arrastavam por anos, até mais de 14 anos, impunemente, sem que se alcançasse quase nunca a Justiça querida, o respeito pela população, por sua cidade, nem mesmo o amor próprio, do político apontado como corrupto ou irregular.

Hoje os trâmites processuais evoluíram rapidamente com a digitalização do Judiciário, no início, um “bicho de sete cabeças” diante da mudança de época que atingiu as gerações de servidores, juízes, promotores e advogados, uns com mais idade e menos perícia com a informatização, e outros, jovens que cresceram com a informática, quase que nascendo sabendo todas as formas de melhor utilizar e aperfeiçoar os trabalhos, não só dentro do Judiciário, mas aberto ao mundo, como a mídia evoluiu do papel para o digital, para as redes sociais, tornando obsoleto os jornalões que custavam fortunas e davam tanto trabalho.

Diante disso, os processos já começam a andar mais rapidamente, e aliado aos grandes acontecimentos nacionais, como o caso do MENSALÃO, PETROLÃO, BNDES e outros de grande vulto onde se envolveram o GAECO, Polícia Federal, nosso querido nacionalmente Juiz SERGIO MORO e também outros respeitáveis órgãos públicos honestos e que se dispuseram a combater a corrupção pública, a formação de quadrilhas especializadas e contínuas que atuam nos poderes públicos, a JUSTIÇA evoluiu como nunca e a impunidade talvez já esteja sendo arrastada para longe da população pagadora de impostos, que acreditam nos seus escolhidos eleitos e que também acreditam que assumindo o poder através das urnas (ainda que fraudando urnas ou comprando votos escandalosamente) dilapidam o patrimônio público levando o pouco que temos, além de locupletar-se (até mesmo como terríveis “laranjas”) conjuntamente com quem ajudou a eleger de forma maquiavélica.

Daí o protesto, a inconformação com apenas o “TÍTULO” de BENS BLOQUEADOS, pois “segundo consta” o candidato NÃO TEM BENS A BLOQUEAR       ……..EM SEU NOME !

Mas, por que não ter bens em seu nome depois de praticamente 03 gestões administrando uma cidade de mais de 100 mil habitantes, assumir cargo público no Estado recebendo por seu trabalho quase 20 mil reais mensais?? 

Milhões do dinheiro público que devem voltar aos cofres públicos em qualquer saída irregular e que recursos protelatórios embargam as tentativas vãs de poucos interessados, haja vista ações de mais de 14 anos sem sucesso e acumulando outras, de muitos milhões que saíram dos impostos pagos pela população e que não retornam ao Município, não podem ficar na impunidade.

A cidade completamente endividada, tanto por falta de competência na administração como por falta de seriedade, de honestidade, por falta de amor pela cidade de Ourinhos, se tornou arrasada, quase impossível da população ter uma vida digna, com o mínimo de qualidade de vida, com CPI’s explodindo todos os meses enquanto a figura principal de sua desgraça quer, por qualquer dos meios possíveis, voltar ao poder, voltar a administrar a cidade que “arrebentou”, para talvez levar o pouco que restou.

Mas, como se percebe, salvo engano longínquo, a Justiça não falha, ainda que não estando em nome do envolvido parte de seus bens, realmente foram bloqueados por outra forma que ninguém esperava, podendo não voltar aos cofres públicos, mas também não podendo usufruir, diante de um verdadeiro e providencial BLOQUEIO de BENS que atingiu sua “plantação” inesperadamente, não deixando, ainda, e até que se decidam judicialmente, margens para que seja resgatado e, se resgatado com certeza algo poderá acontecer no sentido de, aí então, voltar aos cofres públicos. 

Esperamos que os bens (em nome de outros) retornem aos cofres públicos, e se depender da Justiça, isso deverá acontecer.