Tribunal de Justiça do Rio expede mandados de prisão de Queiroz e Márcia

Até as 19h10, Queiroz e a mulher permaneciam na casa deles, na Taquara, zona oeste do Rio, onde cumprem prisão domiciliar

Despacho do desembargador Milton Fernandes, relator do processo na Corte fluminense, cumpre determinação do Superior Tribunal de Justiça

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) informou pouco antes das 19h desta sexta-feira (14) que expediu os mandados de prisão preventiva para Fabrício Queiroz e sua mulher, Márcia Oliveira de Aguiar, em cumprimento à ordem do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que na quinta-feira (13) revogou a prisão domiciliar do casal.

Queiroz, ex-assessor parlamentar do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), é investigado por suposto esquema de ‘rachadinha’ (divisão do salário de funcionários) no gabinete de Flávio Bolsonaro quando ele era deputado estadual no Rio de Janeiro.

Até as 19h10, Queiroz e a mulher permaneciam na casa deles, na Taquara, zona oeste do Rio, onde cumprem prisão domiciliar. Na frente do prédio o movimento é apenas da imprensa, que aguarda a saída do ex-assessor. Antes de seguir para o presídio, o casal deve ser conduzido ao Instituto Médico Legal (IML), para exame de corpo de delito.

O ex-assessor parlamentar saiu de casa no final da manhã para um atendimento médico que já estava agendado, mas, após esse compromisso, voltou para o prédio em que está cumprindo a prisão.

De acordo com despacho do desembargador Milton Fernandes, relator do processo no Órgão Especial do TJ-RJ, Queiroz, que é ex-PM, não pode ser levado para o Batalhão Especial Prisional (BEP), unidade prisional especial para policiais do Rio. Ainda não há informação sobre o presídio para onde o casal será conduzido. Antes de ter a prisão transformada em domiciliar, o ex-assessor parlamentar esteve detido no complexo penitenciário de Gericinó, em Bangu (zona oeste), de onde saiu em 10 de julho.

O TEMPO