Vacina de Oxford para covid-19 é produzida em massa em 4 países

Vacina para covid-19 pode ser anunciada em setembro deste ano

Empresa se prepara para entregar milhões de doses de imunização após a divulgação dos resultados de testes com voluntário em setembro

A vacina contra covid-19 desenvolvida por pesquisadores da Universidade de Oxford, na Inglaterra, está sendo produzida em massa em fábricas na Índia, na Suíça, na Noruega e também no Reino Unido.

Segundo o Daily Mail, a empresa farmacêutica AstraZeneca estima distribuir milhões de dose de imunização contra o novo coronavírus a partir de setembro deste ano, quando devem ser divulgados os resultados dos testes com voluntários.

Se os resultados forem promissores, a empresa já tem contratos assinados para produzir 400 milhões de doses para os EUA e 100 milhões para o Reino Unido.

“Estamos começando a fabricar esta vacina agora. Temos que ter tudo pronto para ser usada quando tivermos os resultados”, disse Pascal Soriot, diretor executivo da AstraZeneca, ao programa Today da BBC Radio 4

A vacina, que entrou na terceira fase de testes clínicos, será aplicada em pelo menos 10 mil pessoas em todo o mundo, inclusive no Brasil.

Segundo o Ministério da Saúde, os testes por aqui serão iniciados neste mês de junho com 2 mil voluntários, em São Paulo e no Rio de Janeiro, que não tiveram contato com o novo coronavírus.

A quarentena imposta pela pandemia do novo coronavírus virou o mundo de cabeça para baixo e causou grande impacto nas relações humanas e no consumo. A psicanalista Maria Homem destaca o aumento no consumo de entretenimento, comida, produtos de decoração e de notícias, além de uma reconexão com a família, o fim da terceirização dos cuidados com a casa e a busca pelo autoconhecimento

A quarentena imposta pela pandemia do novo coronavírus virou o mundo de cabeça para baixo e causou grande impacto nas relações humanas e no consumo. A psicanalista Maria Homem destaca o aumento no consumo de entretenimento, comida, produtos de decoração e de notícias, além de uma reconexão com a família, o fim da terceirização dos cuidados com a casa e a busca pelo autoconhecimento

Houve um aumento no consumo de redes sociais (26,2%),
entretenimento (22,8%) e jogos (20%), segundo pesquisa realizada pela empresa de
mídia Comscore. A comparação foi feita entre os períodos
de 9 a 15 de março (fora da quarentena) e 16 e 22 de abril. “Um dos efeitos do isolamento social é o
consumo exacerbado. Consome-se de tudo: comida, filme, livro, live, streaming,
internet. É uma forma de espantar o desespero”, afirma Maria Homem

Houve um aumento no consumo de redes sociais (26,2%), entretenimento (22,8%) e jogos (20%), segundo pesquisa realizada pela empresa de mídia Comscore. A comparação foi feita entre os períodos de 9 a 15 de março (fora da quarentena) e 16 e 22 de abril. “Um dos efeitos do isolamento social é o consumo exacerbado. Consome-se de tudo: comida, filme, livro, live, streaming, internet. É uma forma de espantar o desespero”, afirma Maria Homem

Um setor chama particularmente a atenção da
psicanalista: casa e decoração. Uma pesquisa realizada pela plataforma de
gestão de logística Intelipost, entre 26 de fevereiro de 10 de maio deste ano, aponta
que esse setor registrou aumento de 250% na comercialização de produtos em
comparação ao mesmo período de 2019. Para Maria Homem, isso se deve ao fato de
a quarentena ter proporcionado às pessoas uma reconexão com elas mesmas e com tudo
ao seu entorno

Um setor chama particularmente a atenção da psicanalista: casa e decoração. Uma pesquisa realizada pela plataforma de gestão de logística Intelipost, entre 26 de fevereiro de 10 de maio deste ano, aponta que esse setor registrou aumento de 250% na comercialização de produtos em comparação ao mesmo período de 2019. Para Maria Homem, isso se deve ao fato de a quarentena ter proporcionado às pessoas uma reconexão com elas mesmas e com tudo ao seu entorno

A quarentena está contribuindo para mudança de hábitos já arraigados na cultura brasileira. “Nas classes mais altas, existe uma
terceirização entre você e a sua casa. Nesse caso, há pessoas que se conectam com sua casa
por você, como babá, empregada, faxineira e motorista. A quarentena desmonta isso”, diz

A quarentena está contribuindo para mudança de hábitos já arraigados na cultura brasileira. “Nas classes mais altas, existe uma terceirização entre você e a sua casa. Nesse caso, há pessoas que se conectam com sua casa por você, como babá, empregada, faxineira e motorista. A quarentena desmonta isso”, diz

Ela ressalta, no entanto, que esse não é um
fenômeno exclusivo da classe alta. “As classes mais baixas, que normalmente
faziam esses serviços para outras classes, se estão em casa e estão podendo receber
o salário, também têm mais tempo de se ocupar da própria casa. Essas pessoas
também terceirizavam a casa e os filhos para outras pessoas, enquanto trabalhavam na casa de pessoas mais ricas no centro. Tem todo um circuito centro-periferia que
está repaginado, que dá oportunidade para tanto o centro quanto a periferia olharem melhor os seus entornos”, diz a psicanalista

Ela ressalta, no entanto, que esse não é um fenômeno exclusivo da classe alta. “As classes mais baixas, que normalmente faziam esses serviços para outras classes, se estão em casa e estão podendo receber o salário, também têm mais tempo de se ocupar da própria casa. Essas pessoas também terceirizavam a casa e os filhos para outras pessoas, enquanto trabalhavam na casa de pessoas mais ricas no centro. Tem todo um circuito centro-periferia que está repaginado, que dá oportunidade para tanto o centro quanto a periferia olharem melhor os seus entornos”, diz a psicanalista

Segundo Maria Homem, outra consequência
positiva do isolamento social é a aproximação das famílias. “Você está em maior
conexão com seu filho, por exemplo. Com isso entende melhor o que ele pensa, como
ele brinca e como ele aprende”

Segundo Maria Homem, outra consequência positiva do isolamento social é a aproximação das famílias. “Você está em maior conexão com seu filho, por exemplo. Com isso entende melhor o que ele pensa, como ele brinca e como ele aprende”

Em paralelo a essa reconexão das pessoas consigo
mesmas, com suas casas e com suas famílias, a psicanalista comenta outra
faceta do isolamento social: a busca pelo autoconhecimento. “O que muitos pacientes relatam no consultório é que, ao olhar para si mesmos e para as coisas ao seu redor com mais atenção, percebem o quanto não estão bem dentro da própria casa, ou melhor, dentro da própria pele. Essa quarentena é uma oportunidade
inédita na história de todo mundo se analisar. Não tem como você escapar de um
confronto com você mesmo. Eu acho que isso justifica a explosão que houve na
demanda de terapia”

Em paralelo a essa reconexão das pessoas consigo mesmas, com suas casas e com suas famílias, a psicanalista comenta outra faceta do isolamento social: a busca pelo autoconhecimento. “O que muitos pacientes relatam no consultório é que, ao olhar para si mesmos e para as coisas ao seu redor com mais atenção, percebem o quanto não estão bem dentro da própria casa, ou melhor, dentro da própria pele. Essa quarentena é uma oportunidade inédita na história de todo mundo se analisar. Não tem como você escapar de um confronto com você mesmo. Eu acho que isso justifica a explosão que houve na demanda de terapia”

Observa-se, ainda, um aumento no consumo de
notícias, o que revela um maior interesse das pessoas de entender não só a si
mesmas, mas também o mundo ao seu redor. Ainda segundo a pesquisa realizada
pela empresa de mídia Comscore, o número de acessos a notícias subiu de 725 milhões
para 1 bilhão entre os períodos analisados. “Há uma demanda muito grande por informação. Por mais que haja dúvidas sobre o que é verdade e o
que é mentira, devido às fake news<i></i>, existe um movimento de entender o mundo, então aumentou também a
absorção de notícia, de mídia em geral”

Observa-se, ainda, um aumento no consumo de notícias, o que revela um maior interesse das pessoas de entender não só a si mesmas, mas também o mundo ao seu redor. Ainda segundo a pesquisa realizada pela empresa de mídia Comscore, o número de acessos a notícias subiu de 725 milhões para 1 bilhão entre os períodos analisados. “Há uma demanda muito grande por informação. Por mais que haja dúvidas sobre o que é verdade e o que é mentira, devido às fake news, existe um movimento de entender o mundo, então aumentou também a absorção de notícia, de mídia em geral”

Segundo a especialista, não há como afirmar
categoricamente se essas mudanças tendem a perdurar no futuro, mas ela se
mantém otimista. “Eu acho que vai depender do quanto a gente vai conseguir elaborar dessa experiência tão
determinante. A gente tem mecanismos de defesa que tendem a nos ‘jogar’ sempre
no mesmo. A gente é seduzido pela mesmice, pela repetição, por fazer as coisas
da maneira como a gente sempre fez. Uma parte de nós é profundamente
conservadora. Mas também temos um lado que é irrequieto, que vai adiante, e
que quer, de alguma maneira, interrogar e fazer novas conexões”<br><br><i>*Estagiária do<b> R7</b> sob supervisão de Deborah Giannini</i>

Segundo a especialista, não há como afirmar categoricamente se essas mudanças tendem a perdurar no futuro, mas ela se mantém otimista. “Eu acho que vai depender do quanto a gente vai conseguir elaborar dessa experiência tão determinante. A gente tem mecanismos de defesa que tendem a nos ‘jogar’ sempre no mesmo. A gente é seduzido pela mesmice, pela repetição, por fazer as coisas da maneira como a gente sempre fez. Uma parte de nós é profundamente conservadora. Mas também temos um lado que é irrequieto, que vai adiante, e que quer, de alguma maneira, interrogar e fazer novas conexões”

*Estagiária do R7 sob supervisão de Deborah Giannini

R7