Vi minha filha pegando fogo, diz mãe de garota ferida após celular explodir

Celular explode, e criança tem queimaduras de segundo grau em Sumaré (SP)Imagem: Arquivo pessoal

Uma criança de 5 anos sofreu queimaduras de segundo grau em diversas partes do corpo depois que o celular que ela brincava explodiu. Segundo a família, o aparelho estava carregando no momento da explosão. O acidente aconteceu na noite da última terça-feira (7), em Sumaré (SP). A família diz que o celular da marca LG teve a bateria trocada recentemente. Procurada, a empresa não respondeu à reportagem. A dona de casa Liliane Cristina Rodrigues Pissaia, 37, conta que deixou o aparelho celular em cima do sofá carregando e orientou a filha Elisa a não mexer no aparelho. A criança ficou na sala vendo TV, enquanto a mãe foi até o quintal.

“Ouvi um barulho que parecia um tiro e entrei em casa correndo. Vi o corpo da minha filha pegando fogo. Meu filho mais velho, Gustavo, de 14 anos, que estava no banheiro logo pegou a Elisa e a colocamos embaixo do chuveiro para amenizar a dor que ela estava sentindo”

Liliane Cristina Pissaia, em entrevista ao UOL Elisa sofreu queimaduras nos dois braços, nas duas pernas e no tórax, além de lesões nos lábios e nas narinas. Ela está com curativos em todo o corpo. Já o irmão que ajudou no socorro sofreu uma queimadura leve no dedo ao apagar as chamas do cabelo da irmã.

Celular explode e fere criança - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal

Elisa teve queimaduras nos dois braços, nas duas pernas e no tórax 

A mãe conta que no momento do acidente a filha usava uma fantasia de bailarina, que também pegou fogo. “A roupinha chegou a colar no corpinho dela”, lembra a dona de casa. A criança foi rapidamente levada ao pronto-socorro da cidade, sendo atendida no local. Segundo a família, devido à pandemia do novo coronavírus, os médicos optaram por não manter a criança internada e os pais foram orientados a cuidar dos ferimentos da criança em casa. “Uma amiga da família que é enfermeira está nos ajudando a limpar os ferimentos e fazer os curativos. A Elisa ainda chora muito e está muito assustada com tudo o que aconteceu”, explica Liliane.

Mãe diz que trocou bateria recentemente A mãe de Elisa relata que o celular que explodiu vinha apresentando defeitos. O equipamento não carregava e muitas vezes desligava sozinho. “Percebi que a bateria dele estava estufada e o aparelho já não carregava normalmente. Um dia ele parou de funcionar, procurei uma loja e a bateria foi trocada, mas mesmo assim ele não ficou muito bom. Eu ia na loja no dia seguinte, mas não deu tempo”, afirma. O aparelho de celular que causou o acidente é da marca LG. A reportagem do UOL entrou em contato com a empresa, mas ainda não obteve retorno.

UOL