Violência contra a imprensa é inaceitável, escreve Rogério Nery

Não é aceitável é tratar a imprensa como inimiga, acuá-la, calá-la -–como em casos de violência registrados recentemente

Políticos buscam intimidar jornalistas

Apuração responsável é 1 dever

Casos de violência não são isolados

Imprensa é 1 pilar da democracia

Nenhuma democracia pode viver sem uma imprensa autônoma, livre e independente. No entanto, o que temos visto ao redor do mundo é um açodamento cada vez maior da prática do jornalismo profissional. Não importa a latitude e nem mesmo a orientação política, se de direita ou de esquerda: o que se vê são políticos, alguns bastante notórios, procurando intimidar jornalistas que tão-somente procuram fazer seu trabalho.

E o trabalho de jornalistas é questionar, sem se ater a uma pauta pré-combinada. Como bem diz uma frase atribuída a George Orwell, jornalismo é publicar o que alguém não gostaria que fosse publicado; e que o resto é relações públicas.

Ainda que não haja certeza se essas aspas tenham sido da lavra do escritor de “1984” e “Revolução dos Bichos”, ela captura a essência: para cumprir sua função social, profissionais de imprensa precisam de absoluta liberdade para fazer todas as perguntas que precisam ser feitas, ouvindo todas as fontes relevantes.

Assim como têm esse direito, os jornalistas têm o dever de apurar as informações com correção, checando tudo e editando de um modo que faça sentido, com contexto, com toda a responsabilidade.

Sim, as fontes têm o direito de declinar em pedidos de entrevistas ou de dar declarações, embora, caiba lembrar, o direito à informação seja assegurado na Constituição e, nessa era de redes sociais, todas as pessoas estejam cada vez mais sujeitas a prestar contas à sociedade, principalmente em informações de estrito interesse público –em especial as autoridades e os funcionários públicos que, de posse de mandato e cargos públicos, têm o dever de dar satisfações à população sobre seus atos.

O que não se tem direito –sejam anônimos, sejam personalidades públicas– é o de acuar a imprensa ou, pior, agredi-la verbal ou fisicamente.

Lamentavelmente, não é de hoje que temos visto no Brasil uma atitude desrespeitosa e violenta contra os jornalistas. Basta lembrar que, com a eclosão das manifestações em junho de 2013, mais de cem agressões foram registradas contra jornalistas desde então naquele ano, de acordo com contagem feita pelo Conselho de Comunicação Social, órgão auxiliar do Congresso Nacional. E, no início de 2014, outros casos se seguiram, com uma página mais trágica: a morte do cinegrafista da TV Bandeirantes, Santiago Andrade, atingido por um artefato explosivo no Rio de Janeiro.

A mesma covardia, em proporções distintas, tem se observado recentemente, como no caso da inaceitável agressão a uma equipe do jornal Estado de São Paulo, com chutes, murros, empurrões ao fotógrafo Dida Sampaio, além de uma rasteira a um motorista do Estadão e hostilidades a equipes da Folha de S. Paulo, de O Globo e do jornal digital Poder360. Tudo isso em uma manifestação política, justamente no Dia da Liberdade da Imprensa (3 de maio).

Dois domingos depois, no mesmo cenário, uma repórter da Band foi atingida por uma bandeira enquanto fazia sua reportagem. Poucos dias depois, em Barbacena (MG), o repórter cinematográfico Robson Panzera, da Rede Integração, afiliada da Globo), foi agredido verbalmente, derrubado e ferido por um homem insatisfeito com uma reportagem feita na Escola Preparatória de Cadetes da Aeronáutica. Panzera sofreu uma luxação no dedo e um corte na mão e teve seu equipamento (câmera e tripé) chutado e quebrado pelo agressor. Tudo isso ocorreu em via pública e foi registrado pela repórter Thais Fullin, que não foi ferida, mas ficou evidentemente abalada emocionalmente.

Não são casos isolados. Um ambiente vem colocando o trabalho da imprensa como inimiga. E isso é muito perigoso para a democracia, que, como Winston Churchill uma vez pronunciou na House of Commons, pode ser a pior forma de governo, exceto todas as demais formas já tentadas.

Sempre cabe recordar que a democracia está alicerçada em diversos pilares. No Brasil, conforme estabelece a Constituição Federal, ela está baseada e instituições consolidadas, autônomas e independentes, com pleno equilíbrio dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, cada um destes cumprindo seu papel sem atravessar suas fronteiras, todos importantes para uma nação.

Tida por muitos como “Quarto Poder”, a imprensa tem o papel de ser um canal da sociedade. E seu trabalho depende da pluralidade e liberdade de expressão.

Falar de liberdade de expressão significa ouvir as partes, dar espaço a sociedade se manifestar e ter dentro dos veículos de comunicação filtros para que não incorram em erros, descriminação, predileção, pautas pessoais e desrespeito à cultura, à história, aos hábitos da população e, em caráter específico, ao localismo.

É claro que a imprensa é formada por gente suscetível a equívocos e erros de avaliação, como em todos os segmentos da economia e da sociedade livre, pois até máquinas falham. Mas é um mau caminho atravessar as fronteiras do bom senso e partir para as hostilidades, atribuindo aos meios de comunicação problemas pelos quais ela não é responsável. Imprensa não é para só mostrar “lado bom”. Em sua busca pela verdade, ela precisa apontar divergências e contradições – o “outro lado”.

Ter opinião e expressar-se é direito de todos. Agredir é crime. Devemos e precisamos sempre combater a fake news que nos rouba o direito a verdade e a violência em todas as suas expressões.

A legislação é suficiente para punir quem erra e sempre é possível pleitear o direito de resposta.

O que não é aceitável é tratar a imprensa como inimiga, acuá-la, calá-la –inclusive a pontapés, como se viu em Barbacena.

A imprensa independente e profissional é um bastião das instituições democráticas. A sociedade, pelo bem da preservação da liberdade, tem o papel de repudiar estes ataques.

Poder360